segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Depoimentos de pessoas que ja tiveram cancer

Estou com 56 anos de idade, há 8 anos atrás comecei a fazer um tratamento para menopausa com hormônios, acompanhada por um ginecologista. Nunca tinha me sentido tão bem como neste tratamento, sempre fazendo os exames de rotina a cada 6 meses. Em dezembro de 1996 comecei a fazer os exames e tudo estava OK. Em março de 1997, senti que tinha um caroço embaixo do meu braço direito, perto da axila. Não doía mas incomodava; fui ao ginecologista que me pediu para fazer uma mamografia dizendo que não seria nada, talvez uma displasia. Na ocasião da mamografia a médica me pediu os exames anteriores, eu levei numa boa, uma semana mais tarde meu ginecologista entrou em férias, aí se passou mais ou menos um mês, e no fim do mês de junho de 1997, meu ginecologista entrou em contato para ir buscar os exames e levar a um outro médico amigo dele (mastologista), para verificar melhor, não me disse nada sobre a suspeita. Marquei hora com o mastologista e mais uma vez fui na boa, nem sonhava com tal processo. Depois de uma super consulta o diagnóstico: "A senhora precisa operar urgente, é câncer de mama . . .". Fiquei prostrada, me tiraram a terra debaixo de meus pés.Voltei para casa e neste dia levei o meu neto junto com a minha filha ao pediatra e não comentei nada com ela. Quando voltei para casa de noite o meu filho perguntou: "Mãe o que deu os exames ?", aí comecei a chorar muito queria um colo de mãe (que não tenho mais), em seguida chegou o meu marido e disse: "Nossa, que cara, o que aconteceu ?", eu lhe contei e ele ficou totalmente fora de si, e me chamou a atenção porque tinha deixado chegar a este ponto, nesta noite não dormimos, no dia seguinte contei para milha filha, meu Deus o mundo desabou, parecia que eu já estava com a hora marcada. Conversei com a minha cunhada, que também tem o mesmo problema, e ela me indicou um outro médico. A esta altura o meu médico já tinha todos os exames para cirurgia no dia 24/06/1997. Outra amiga me levou em outro médico mastologista de sua confiança, que me disse para fazer primeiro uma punção, e depois iríamos resolver o que fazer; fiquei totalmente perdida, não sabia o que fazer. Na saída deste médico fui direto para o Hospital, fazer um mapeamento ósseo que o meu médico já tinha pedido, e no caminho mais uma vez sozinha rezei muito e chorei bastante, quando cheguei ao hospital, qual surpresa: o meu médico estava na porta para ir almoçar, perguntei: "Porque não fazer uma punção, para depois decidir?". Ele respondeu: "Pode ser tarde". Fui em frente, internei no dia 23/06/1997 e no dia seguinte fui operada, retirada total da mama direita, após o efeito da anestesia ter passado, eu estava bem achei que tudo tinha acabado, que após 6 meses eu faria uma plástica e tudo bem. No segundo dia de hospital, recebi a visita de um médico clínico oncológico que me disse: "A Senhora vai fazer 6 sessões de quimioterapia", mais uma vez tive medo, não sabia o que era, meu marido fugia do assunto sempre parecia que não me dava atenção, me sentia sozinha, amargurada, triste, só chorava: era a mulher mais infeliz do mundo. Voltei para casa com o dreno, fiquei um mês com ele.

Ouvi tudo que se possa imaginar de perguntas: bobas, idiotas e medíocres a respeito. Vinte dias após a cirurgia fui fazer a primeira sessão de quimio, minha filha me deu a maior força, meu filho idem e meu marido fugia como sempre. Sabe, hoje eu falo com certeza a cirurgia não é nada, mas a palavra "quimioterapia" me arrasou. Na 1ª sessão: fiquei OK; na 2ª sessão: com a pele super ressecada e indisposta; na 3ª sessão: me levou para o fundo do poço; na 4ª sessão: superei; na 5ª sessão: não queria fazer porque eu sabia as conseqüências; a 6ª sessão: última no dia 22/10/97.

Antes desta horrível surpresa eu não trabalhava era, "dondoca", mas veio a crise e aí o que fazer: ir a luta. Abrimos uma loja de cama mesa e banho. Hoje trabalho quase 15 horas por dia, não sinto mais nada, há um mês atrás fiz todos os exames novamente e tudo bem, Graças a Deus.

Gostaria que todas as pessoas que passam por esse momento, acreditem que não serão as únicas, tenham força, coragem e garra para suportar, batalhe sempre a favor da Saúde e não contra, dando sorte para o azar valorizando pequenas dores tudo vai passar, tenha força. E o principal não deixe de pedir a ajuda a aquele que nos ama e nos entende.

Selecione ao lado a opção desejada.

4 comentários:

Marina Araujo disse...

Que lição de vida!
Que Deus te abençoe e te guie para um caminho sem sofrimento e de vitorias.

edna disse...

mha historia começou a tres anos atraz, com um cancer de mama junto com uma gravidez!
hj essa doença voltou com força total, esta n osso da mha coluna, n figado e n meu pulmão peço a todos orações!

patty disse...

"O meu comentario,é pelo meu pai"
dia 28/06/2011 levei meu pai no hospital aonde trabalho como porteira,levei meu para devido + ou - 15 dias meu pai estava se sentindo mau.
Meu pai foi enternado no mesmo dia em q levei para o hospita qdo foi dia 30/06/2011 ele fez a indoscopia e foi comprovado q ele estava com CÂNCER DE ESTOMAGO.
Dia 09/07/2011 meu pai fez a cirurgia do estomago,a cirurgia foi parcial, e os medicos me disseram q o câncer do meu pai estava do tamanho de uma laranja.DIA 15/07/2011 MEU PAI TEVE ALTA DO HOSPITAL.
M pai vai ter q faser quimeoterapia e radioterapia:apartir do dia 08/08/2011 meu pai vai começar a radioterapia e dia 30/08/2011 meu vai ira começar a sessão de quimeoterapia.
"EU acredito em DEUS,aquele la de cimaE estou com muita fé q meu vai sair dessa." HOJE ELE TEM 56 ANOS NÃO ERA FUMANTE E NUNCA BEBEU!E DIGO Q ESSA DOENÇA NAO ESCOLHE PESSOA E NEM IDADE.ABRIGADO POR ETR AONDE AGENTE PODE DESABAFAR....

vida disse...

somos escolhidas descobri o cance de mama na vespera de aniversario de casamento no dia 3 de agosto de 2010 logo em seguida descubro q estou gravida fiz a cirurgia a quimio na gestaçao e depois do parto a radio hoje em dia tomo remedio minha filha e super saudavel quando deus quer tudo e possivel se estamos aqui e pq deus tem um plano para nos .